Me graduei em 2015, sou de 90, iniciei o Mestrado em 2016 mas por razões conflitantes preferi me apartar dessa realidade e me voltar ao trabalho. Sim, sou Católico! Resumidamente, essa é minha história acadêmica/profissional e achei interessante começar o texto assim para o possível leitor que se ver nessa situação ou próxima a isso não se sentir indiferente quando ler este texto.

Bem, este não foi o primeiro retiro que fiz e espero que não seja o último... Acredito que quando vamos fazer um retiro é porque estamos procurando uma resposta, uma vivência, ou um novo fôlego para a iluminação em nossos caminhos espirituais e intelectuais, e sempre o aspecto espiritual (a fé) deve estar acima do intelectual. Eu me propus, mesmo que com minhas falhas e imperfeições humanas, a viver de alguma forma essa realidade que estava ali podendo ser vivida. Já havia ouvido falar sobre a Oficina de Valores desde 2015, e ainda não havia tido a oportunidade de ir no retiro. No entanto, no dia 21 de abril de 2017 houve esta oportunidade, fiz minhas malas e fui conhecer esta obra.

Chegando no Sítio, eu e minha companheira de retiro, minha irmã, colocamos nossas malas na varanda da Casa Rosa e conversamos com algumas pessoas até então desconhecidas mas que depois se revelaram fazer parte do grupo organizador do retiro. Achei bem bacana que, mesmo com a correria e ansiedade que deveriam estar passando, tiveram essa sensibilidade de conversar e procurar conhecer as pessoas que estavam ali para poder participar das experiências em Cristo que seriam realizadas até o dia 23.

A partir do primeiro momento em diante, isso inclui a dinâmica feita para quebrar o gelo da galera, a de conversar por 1 minuto, posso dizer que os momentos foram de boas reflexões, oração e oportunidade de estabelecer novas amizades com pessoas que valem a pena de se conhecer em Cristo. Afinal, é essa a fé que nos ligou e marca as nossas vidas.

Falando de mim, posso dizer que fui a procura de algo que pudesse reacender de alguma forma a minha certeza e minha fé na única e verdadeira fé, aumentar meu vigor espiritual. Afinal, no nosso cotidiano somos afogados por vários acontecimentos e vivências que abaixam o fogo de nossa fé, e isso é um problema que deve ser enfrentado com atenção.

O que posso dizer é que para as pessoas, principalmente os Jovens Católicos, que gostam de procurar as respostas que a razão pode dar sobre a fé, a boa pedida é a Oficina de Valores. No retiro foi perceptível o cuidado que a equipe tem quando passa essas informações nos bate papos e nas palestras. E tudo isso sem se descuidar da oração, esse é o ponto mais importante! Apesar de, em teoria, se tratar de um “retiro intelectualizante Católico” não deixou as vivências de oração comunitária perderem o seu sentido. Vale ressaltar também a possibilidade sempre aberta de oração individual que era dada em vários momentos no retiro. Fé e Razão caminhando lado a lado.

Gostaria de ter um poder maior de memorização e compartilhar várias palavras e reflexões de muito valor que foram ditas nos momentos e testemunhos que passamos no retiro, mas o que posso dizer, e que me tocou mais profundamente, foi o momentos Mariano. Nele pude contemplar a humildade e o amor de Nossa Senhora, sempre apontando para Nosso Senhor Jesus Cristo, na santa humildade, solicitude e silêncio. Disso não abro mão, é o que tocou mais profundamente.

Por fim, o que posso dizer é que após fazer o retiro me sinto, de certa forma, no dever de ser grato por ter tido a oportunidade de rezar e ter podido me aproximar novamente, de uma forma diferente, da realidade da minha fé, da realidade da verdade revelada, da realidade de Deus. Espero poder continuar próximo dessa espiritualidade que pude experimentar e amadurecer minha fé para ser um testemunho no mundo para Cristo!


Roberto Silvério
Participante do Retiro de Universitários 2017 / Time Vermelho

0 comentários:

Postar um comentário