0
UM POUCO DE NOSSA HISTÓRIA

No ano de 2005 recebi um telefonema de uma professora cuja filha havia conhecido em um encontro católico de jovens. Esta professora falava sobre a situação de um colégio cujos estudantes estavam entrando em um processo que poderia levá-los a dependência química. Junto com a descrição da situação surgiu um convite: “Será que você não poderia dar uma palestra sobre drogas para essa turma?”.

Expliquei para essa professora que não poderia tratar de tal tema porque não possuía experiência neste campo, mas prometi que conseguiria alguém para a palestra. Entrei em contato com amigos que lidavam diretamente com o problema e transferi o convite. Meus amigos não puderam aceitar. Naquele momento fiquei numa espécie de encruzilhada: não poderia falar de algo que não conhecia e não poderia deixar de fazer alguma coisa naquela situação. Lembro que liguei para a diretora do colégio e disse:
_Não posso falar sobre dependência química porque não conheço bem o tema e, além disso, acredito que uma abordagem direta seria pouco eficaz. Contudo se a senhora permitir, posso palestrar sobre os motivos que, acredito, levam um jovem a usar drogas.

A diretora aceitou. Convidei um amigo que toca violão, preparei uma palestra sobre " O sentido da vida" e nos encaminhamos ao colégio. Senti muito medo quando coloquei os pés naquela turma que cursava o primeiro ano do Ensino Médio. Graças a Deus o medo passou logo que comecei a falar e algo belo aconteceu. Nascia naquela sala o projeto “Oficina de Valores”, embora eu ainda não soubesse disso.

Fomos a todas as outras turmas daquele colégio, recebemos convites para ir a outros e em menos de um ano havíamos falado para cerca de dois mil alunos. No início éramos eu e um amigo com o violão, depois vieram outros e hoje somos em torno de doze pessoas com cinco dando as palestras.

Mas por que “Oficina de Valores”? Em nossas palestras nos colégios não apresentamos um conteúdo doutrinal, damos uma formação humana. Partimos dos valores universais presentes no coração humano para despertar as grandes questões e a partir de convites para um anúncio mais específico em nossos retiros ou pelo simples contato pessoal apresentar o Evangelho. Acreditamos que quando alguém se abre a viver intensamente sua humanidade já se encontra no caminho de um encontro com Deus. Valores distorcidos significam sinalizações defeituosas na estrada da vida. 

Hoje damos palestras nos colégios, contudo sabemos que só as palestras não bastam. Promovemos retiros para estudantes, retiros de carnaval e o blog com conteúdo que sirva como meio para a disseminação dos verdadeiros valores. Esses são apenas algumas de nossas realizações e desejos de nossos corações que se encontram cheios de entusiasmo com a missão que se coloca a nossa frente.

Para concluir vale a pena ressaltar o lema que dá cara ao projeto: “só vale a pena viver pelo que vale a pena morrer”. Muitos de nossos jovens tem caminhado por estradas ruins, porque ainda não encontraram um sentido para a própria vida, um ideal pelo qual vale a pena se gastar. Meninos e meninas agarram as migalhas pois ainda não viram aquilo que podem realizar; se refugiam num prazer momentâneo porque ainda não experimentaram o encontro com O Deus que sacia nossa sede do infinito. Somos responsáveis por esses jovens! 

Em sua visita ao Brasil o Papa Bento XVI, dirigindo-se aos jovens no Pacaembu, disse duas frases muito marcantes:
                                            
"Sois jovens da Igreja."
                                                                             
                    "Sede apóstolos dos jovens."


                                                                                             
Nós da Oficina de Valores somos jovens da Igreja, e nela encontramos um Deus que mudou nossa história, que nos fez ter vida plena. Queremos também ser apóstolos de outros jovens, queremos que outros experimentem a alegria que encontramos. Contamos com a oração de todos para que possamos viver bem essa missão que acreditamos, Deus nos confiou.
Alessandro Garcia da Silva